terça-feira, 27 de setembro de 2011

A lista que nunca terá fim


Se pararmos para pensar em tudo que nos lembra a nossa infância, a lista nunca terá fim, quer ver? Subir em ávore e despencar lá de cima, correr descalço na rua, tomar banho de chuva, comer melancia e se lambuzar todo, rolar na grama, comer balas e chocolate sem culpa, sentir cherinho de giz de cera na escola, ouvir canções de ninar, brincar de queimada e amarelinha, assistir todos os desenhos animados, brincar de casinha e de carrinho, fazer cabana no quarto escuro, comer bolinho de chuva na casa da vó, fazer castelos e boinhos de areia, ficar horas observando os desenhos das nuvens no céu, balançar num balanço feito de pneu ou um pedaço de pau, dormir na sala e acordar de manhã no quarto, jogar Stop com os primos (as), jogar futebol no campinho, brincar de cabo de guerra, trocar figurinhas e Tazos com os colegas da escola, trocar cartuchos de vídeo-game com os vizinhos, brincar de esconde-esconde de noite na rua, plantar feijão no algodão, apertar a campainha e sair correndo, fazer jóia para os carros de trás, assistir o Xou da Xuxa, Show Maravilha e Oradukapeta...

Por que nos lembramos com tanta clareza da nossa infância? Porque tivemos a oportunidade de vivenciar de forma prazerosa, explorando, tocando, vendo, ouvindo, cheirando e brincando com tudo isso.




.

1 comentário(s):

Áureo Lopes disse...

Parabéns pelo excelente Blog. Fica aqui o convite para uma visita em meu blog também. Abs. http://theoitenta.blogspot.com/

Últimos comentários

 
;